5G é a melhor política industrial que o Brasil pode ter, afirmam especialistas em painel


De acordo com os painelistas que participaram de uma discussão sobre conectividade e produção no Painel Telebrasil, a implementação do 5G será a melhor política pública industrial que o Brasil pode ter. Os especialistas apontaram que a quinta geração da banda larga móvel será a base para o desenvolvimento tecnológico da indústria nacional. O painel foi promovido hoje (21/9), durante o segundo dia do evento online.

Guilherme Spina, CEO da V2COM e da WEG, aponta que o 5G é um habilitador para a implementação de novas tecnologias. Ele comparou a rede como uma estrada, onde os carros seriam os novos casos de uso que poderão ser desenvolvidos e que vão permitir solucionar problemas de produção.

Uma das promessas do 5G que ele cita é a simplicidade. Como ela provavelmente será a única rede para o funcionamento dos equipamentos de tecnologia operacional, dará ganho de escala para a indústria. Spina aposta ainda em redes privativas para gerar uma possibilidade de mais conexão, o que, junto com a necessidade de conectividade da indústria, podem ser vetores para baixar o custo do 5G e viabilizar sua implementação.

Já Igor Calvet, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), acredita em um modelo misto entre rede pública e privativa do 5G, já que outros países têm adotado esse modelo. De qualquer forma, a perspectiva é que a nova tecnologia de conectividade revolucione o setor. Segundo ele, testes em ambiente fabril com o release 15 do 5G, realizados na WEG, mostraram que ele é uma opção melhor que as tecnologias de Wi-Fi industrial.

Indústria tem medo de inovar

A expectativa de Calvet é que o 5G permita que a indústria brasileira se torne disruptiva. Segundo uma pesquisa recente da ABDI, feita com 400 empresas de médio e grande porte do setor, a tecnologia só é utilizada na camada de comunicação entre funcionários.

Por exemplo, 86% das empresas usam ferramentas de videocolaboração e 75% usam a nuvem, no entanto, apenas 10% estão investindo em inteligência artificial e menos ainda utiliza big data ou impressão 3D. Mais da metade (52%) das empresas não sabem o retorno de investimento que a digitalização traz. “As empresas apontam o alto custo da tecnologia e a falta de mão de obra especializada para não investir”, conta o presidente da ABDI.



Fonte: IP News
VOLTAR

CONECTE-SE

com a nossa rede de usuários!

Um espaço onde os usuários podem se apresentar. O objetivo da rede é facilitar a conexão e criação de parcerias.

CADASTRE-SE